O que aprendi nesses 8 anos de relacionamento

CP-68-800x534

Olá meninas! Hoje estou completando 8 anos de namoro com meu marido! E resolvi fazer esse post com o que aprendi nesses 8 anos de relacionamento.

Lembrando que temos 1 ano e 2 meses de casados, antes disso ficamos 2 anos noivos e 5 anos namorando. Eu conheço o Fábio desde 2004, éramos super amigos e a amizade se tornou amor, já contei nossa história aqui no blog.

Nesses 8 anos muita coisa aconteceu, nós nos formamos na facul, fizemos pós graduação, saímos e entramos em empregos, fizemos projetos que não deram certo, e alguns que estão começando a dar como o Quanto Custa Viajar.

Eu e o Fábio – como contei nesse post – brigávamos muito no começo do namoro, ainda éramos com uma mentalidade muito de jovem, queríamos curtir, não assumir namoro…Enfim, demorou +- 1 ano e meio para nos acertamos mesmo. Depois disso posso dizer que estamos indo muito bem ahhaha!

Então vamos lá:

1- Parceria: acho que o ponto principal para o relacionamento é o casal ser parceiro, tipo amigo mesmo. Topar o que um quer fazer, tratar o outro como igual e não ter muita frescura, rirem muito e gostarem de conversar um com o outro. Eu e o Fábio éramos amigos há uns anos então isso foi tranquilo, a gente conversa pra caramba aqui em casa, ri muito, não temos um ou outro como um ser superior que deve ser tratado com todas as pompas, aqui é de igual p/ igual, parçaaa hahah! Outro dia recebi um email de uma moça que dizia que era casada mas seu marido não gostava de viajar, então ela viajava sozinha. Pensei que chato que isso deve ser, você tem alguém mas esse alguém não quer topar suas aventuras, não quer compartilhar momentos gostosos com você (pq viajar é isso!). Claro que não precisa ser em tudo, se ele curte esportes mega radicais e você tem medo por exemplo,  se você adora passar horas no shopping e ele não…Mas quanto mais parceria e mais momentos felizes compartilhados, melhor!

2- Respirar fundo as vezes: claro gente, nenhum relacionamento é mil maravilhas, nós brigamos pouco aqui em casa, mas as vezes rola uma pequena discussão como qualquer casal normal e na maioria das vezes é por um motivo besta sabe? Então ao invés de levar para uma briga séria, as vezes é melhor respirar fundo e dizer ok. Não estou dizendo para ngm engolir o sapo, se o assunto for sério, é necessário mesmo conversar (e não sair gritando batendo tudo pela casa como minha vizinha faz haha!), mas se for briga besta, diga ok e taca pra frente pois não vale se estressar com pouco.

3- Pode sim trazer problemas de trabalho para casa: gente… problemas acontecem e nada melhor do que você ter alguém de fora para poder conversar sobre os problemas. Não é chegar em casa estressado descontando no outro é para chegar e desabafar, pedir opinião, ajuda, ou uma massagem para relaxar. Quantas vezes ou eu ou ele já chegamos em casa p. da vida, precisando desabafar, eu uma vez cheguei chorando e encontrei no Fábio um colo para me acalmar. Ele também já várias vezes chegou cansado, sem ânimo, com vontade de jogar tudo pro alto…Somos parceiros e parceiros devem estar ali para apoiar, conversar e animar o outro né? Isso vale para outros problemas, não só de trabalho.

4- Não ser chato: Como assim? Gente, tem vezes que algumas coisas são chatas e desnecessárias, outras não. Por exemplo, seu namorado curte futebol e você não? Deixa ele lá ver o jogo dele em paz, depois você pede suas horas de atenção. Ele gosta de jogar vídeo game? Também…Se ele quiser virar uma noite jogando, deixa ele, depois ele compensa. Isso vale para ele também! Você gosta de ficar nas redes sociais dando aquela fofocada, ele tem que deixar, você gosta de ver alguma série e ele não, vc tem todo o direito de ver né? :) Momentos individuais são bons, legais e necessários. Claro que também tem limite, se o cara prefere ficar o tempo inteiro no game e não com você, alguma coisa tá errada, se você prefere ficar com as amigas direto e não com ele, também… Mas respeitar esses momentos individuais é bom para ambos ;)

5- Não faça o que você não quer: Calma, o Fábio não me obrigou a fazer nada que eu ñ quisesse, mas deixo essa dica pois vejo muitas pessoas se submetendo a fazer coisas que não querem só para agradar o parceiro. Tem certas coisas claro que abrimos mão algumas vezes mas tudo tem limite! Deixar seus desejos mais profundos de lado, fazer algo que vai contra sua índole/princípios não dá.

6- Você quer muito algo? Fale!: Se tem uma coisa que é muito chata na vida é a frustração, arrependimento de não ter feito alguma coisa que se queria muito. Outro dia vi um vídeo desses inspiradores falando isso, que em uma pesquisa feita em hospitais e asilos com pessoas que estavam beirando a morte, todos falaram que o maior arrependimento da vida deles foi não ter feito algumas coisas e não arrependimento de algo que já fizeram. Já vi diversas mulheres frustradas porque nunca casaram na igreja por exemplo, tinham esse enorme desejo mas deixaram quieto porque o cara não queria. Já conheci uma moça triste porque queria muito um filho mas o parceiro não… É complicadíssimo isso, claro! Você não pode obrigar o cara a querer ter um filho por exemplo, mas também é muito triste você viver com um desejo desse tipo anulado por conta do parceiro. Não sou expert nesse assunto e sei que é algo muito complicado, mas antes de pensar no desejo do outro, você precisa pensar no seu, na sua felicidade acima de tudo! Talvez deixar alguns pontos claros no começo do relacionamento, conversar muito, ou partir para uma terapia de casal…Enfim, mas não se anule!

7- Agradecer e retribuir: Aqui em casa temos mania de um agradecer o outro quando faz a comida, lava a louça… Enfim, são afazeres da casa que temos que fazer (atenção, TEMOS, não é só a mulher que tem q fazer ok? A casa é DOS DOIS) mas as vezes precisamos deixar de fazer nossos trabalhos, perdemos tempo, não são tarefas mega agradáveis de fazer (na verdade o Fábio curte muito cozinhar) e por isso agradecemos :)  Também é ótimo agradecer outros favores que a pessoa faz para você e tentar retribuir. Na parceria de um relacionamento, favores fazem parte, mas não é por isso que você vai deixar de agradecer/reconhecer aquele favor e retribuir não precisa ser em outro favor, pode ser um agrado :)

8- Viver leve: nos dias de hoje com pressão de trabalho, com stress do trânsito, contas a pagar, crise e por aí vai, cada vez mais fica difícil vivermos como indivíduos uma vida leve. Cada vez mais é preciso procurar alguma coisa que nos deixe mais leves, menos estressados. Isso como indivíduos e como pessoas em um relacionamento. Já vi muitas pessoas que estão sempre nervosas, irritadas e isso acaba afetando o relacionamento. Assim como já vi casais sempre se inticando, um sempre brigando com o outro, chamando a atenção, isso acaba afetando a pessoa como indivíduo além de criar uma relacionamento meio que doente. Viver leve é difícil mas não é impossível e é necessário, faz bem para a saúde!

Bom, esses foram os pontos que me lembrei. Adoraria ler de vocês outras dicas e se concordam ou não com o que falei acima!

Para mim, desejo mais 8 anos de aprendizado e amor (8 não né… infinitos ehheh!).

2 thoughts on “O que aprendi nesses 8 anos de relacionamento”

  1. Concordo plenamente com vc!
    Relacionamento é isso, é ser leve, respeitar o outro, sem competitividade!
    Adorei o post! ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *